Início » Blog » Como saber se um Fetiche é pra você?

Como saber se um Fetiche é pra você?

  • Ares 

Você encontrou algo diferente, como ponyplay da mascara que postei no Instagram, e agora?
Como saber se é pra você?

A resposta padrão pra essa pergunta seria: “Você tem que experimentar!

Mas será que tem mesmo?

Deixa eu te fazer algumas perguntas antes de você sair comprando acessórios, procurando pessoas e marcando encontros, só pra te ajudar a ir com mais calma.


1 – Existe alguém próximo de você que já faz isso e você poderia só observar?


As vezes a gente vê alguma coisa na internet, mas acontece somente em outro país, se não tem ninguem perto fazendo, pode ser que ninguem perto saiba como fazer, ou mesmo estejam fazendo errado e desmotivando quem também quer experimentar. Se você vai só pra assistir, você consegue ver se a pessoa está fazendo certo ou errado sem se comprometer de colocar o seu corpinho extremamente gostoso pra receber o fetiche. Se você é iniciante e sente que tem algo errado, não ignora esse sentimento, porque provavelmente tem.


2 – Quem faz esse tipo de fetiche te inspira segurança pra voce ficar por perto?

Eu sempre gostei de estar perto de pessoas que praticam seus fetiches não importam quais sejam, mas em alguns ambientes eu me sinto inseguro. Sabe quando as mulheres pulam em cima do peito dos caras num jogo relacionado a podolatria? Aquilo é extremamente arriscado de quebrar algum osso, perfurar o pulmão e aí você já sabe… Então quando começam com esse tipo de coisa eu nem fico perto. Já viu alguém que não sabe fazer suspensão por cordas tentar? Isso também deixa inseguro, lá no seu interior você sente que tem algo errado.


3 – As pessoas que praticam o fetiche que você quer, fazem isso de forma saudável?

Se você pudesse trocar de lugar com o sub, ou a sub, da sessão que costuma assistir, você trocaria? Naquele papel de sub, você se sentiria amado(a) e respeitado(a)? Pasmem, humilhação erótica nunca foi desrespeito, muito menos falta de carinho e amor.


4 – Se você quisesse experimentar esse fetiche, qual comprometimento que teria que ter?


Imagine um fetiche razoavelmente simples, um spanking por exemplo. Pra receber um spanking erótico, precisa-se de uma conversa, uma bunda, uma mão e um local reservado, pelo menos. As duas pessoas se comprometem reservando tempo pra conversar, uma pessoa se compromete cedendo a bunda, a outra pessoa se compromete cedendo a mão. A qualquer momento a brincadeira pode acabar, e fica a experiencia. Agora imagine que você quer viver um fetiche mais complicado, como ponyplay ainda do inicio, dá pra fazer simples, mas dá pra gastar rios de dinheiro. Será que vale a pena comprometer o seu salário pra comprar uma mascara ou uma roupa agora? Enquanto você não tem informação o suficiente?


Sempre que for considerar viver um fetiche, pense sempre no quanto e no que você vai comprometer e nas consequências disso. Há dominadores que até antes da primeira sessão querem encoleirar, é igual a uma aliança de namoro no meio bdsm. Você namoraria com alguém que nunca sequer conheceu pessoalmente? Parece um comprometimento muito grande pra viver um fetiche que tem curiosidade.

5 – Você está apto a viver o seu fetiche?


Não sei se viu o episódio da pior sessão da minha vida, se não viu, recomendo que veja este link pra ter uma ideia do que perdeu. Toque ou Clique AQUI.
Mas, na pior sessão da minha vida, a sub com quem eu ia jogar, tinha uma lesão, nada séria, mas que não dava pra praticar BDSM. Ela queria viver o fetiche, mas o corpo dela não podia viver o fetiche, isso trouxe frustração pra mim e pra ela.


Um exemplo ótimo pra você perceber isso é o seguinte, se você for sub, fique de joelhos por 15 minutos e perceba o quanto seu corpo “reclama”, aí você vai ter uma minima noção de se você pode viver o fetiche de ficar de joelhos por 15 minutos ou não.


Se você é dominador e quer saber por exemplo se aguenta fazer a técnica do spanking burn, estique o seu braço por 5 minutos e veja se você consegue manter ele esticado por esse tempo.


Meu intuito não é dizer se você está apto ou não, meu intuito é te trazer consciência de que você pode e deve se melhorar pra poder viver o seu fetiche plenamente.


6 – Se você quisesse experimentar seu fetiche, dependeria de quem?


Eu sei que muitos dos fetiches envolvem uma segunda ou terceira pessoa, mas tem uma diferença entre envolver uma segunda ou terceira pessoa e depender de uma segunda pessoa. Vamos supor que o seu fetiche seja pagar boletos. rs. Você consegue pagar sem depender de ajuda? Entenda, uma coisa é profissão e as pessoas te pagam por um serviço prestado, isso é ok, mas outra coisa é depender de ajuda. Se você quisesse sair da sua casa agora, no momento que está lendo esse texto, você teria condições físicas e financeiras pra isso? Conseguiria pagar o transporte, o motel, o lanche e o transporte de volta?


Independente se você acredita que deve pagar as despesas de realizar o seu fetiche, ou é responsabilidade da outra pessoa, independente de quem no final das contas vai pagar, se você quiser ir embora, você pede um uber e paga ou tem que “pedir” pra outra pessoa pagar o uber pra você? Se não está bom e você quer ir embora, você tem que poder ir sozinho(a).

7 – Dica Extra e importantíssima


O Fetiche tem que ser divertido. Isso não é negociável, tem que ser divertido. Se você não está se divertindo enquanto conhece e descobre os seus próprios fetiches, provavelmente tem algo errado.
Se o seu fetiche se transformou num fardo, só deixa de lado por enquanto, pode ser que no futuro ele volte a ser gostoso, pode ser que seja só a pessoa com quem você está que te coloca muita pressão e tira a graça da coisa.

Eu adoro fazer spanking, já tive uma sub certa vez que ela me colocava muita pressão pra fazer sempre, mesmo com ela já marcada da ultima sessão, em algum momento aquilo começou a me incomodar, eu fazia porque ela sentia prazer, não porque eu realmente queria. Em algum momento isso significou o fim do relacionamento. Então pare de vez em quando e pense se está sendo divertido, vai ser saudável.

Espero ter te trago alguma reflexão com esse texto. Se quiser comentar ou falar alguma coisa pode usar os comentários abaixo ou me mandar um email [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *