Início » Blog » BDSM Não Financeiro

BDSM Não Financeiro

  • Ares 

Eu ando lendo pessoas falando que Femdom e envolver dinheiro com BDSM não é legal. Esse texto foi originalmente um post em um tópico em algum grupo aqui do fetlife e coloco aqui como uma forma de reflexão.

Eu acho que tem diversos pontos que estão misturados mas que cada um deles requer quase que uma discussão exclusiva.

1o – Como uma Domme escolhe um sub?

Se você tem 2 subs iguais em tudo, você manda tirar par ou impar, ou fica com os dois.
Se você tem um mais alto e outro mais baixo, você escolhe a característica que mais atrai.
É assim com subs que eu escolho, escolho por características que me atraem e sigo feliz nisso.

Se você está numa rede social, seja fetlife, instagram ou qualquer outra, você vê a maioria dos submissos que não sabe articular uma frase, que não tem foto de perfil, que manda fotos não solicitadas, que chega falando “me domine”, e tantos outros erros relacionados a bom senso. Os caras não sabem nem conversar, quem dirá entrar num relacionamento.

Como que uma dominadora escolhe o “melhor” entre uma massa homogênea de submissos incapazes de conversar?

Bota um preço, isso é um filtro. Conforme o preço, você atrai pessoas diferentes. Teoricamente, pessoas mais abastadas, tem uma conversa melhor.

A condição financeira é sim determinante na escolha de um parceiro(a), tanto no BDSM quanto fora dele, é a base da condição humana procurar e permanecer com pessoas que pelo menos não te “deem prejuízo”.

2o – Qual é o momento certo de cobrar?

Aqui entra uma questão de tempo. Eu não tenho tanto tempo quanto eu gostaria pra me dedicar a isso tudo, então eu filtro melhor pra quem eu cedo o meu tempo que é valioso.

Não fico batendo papo demais, não fico respondendo dúvidas que a pessoa pode tirar no google, não fico dando terapia pras pessoas que me abordam, não fico puxando assunto com pessoas que não me atraem, etc etc etc. Porque eu quero economizar o meu tempo.

Imagino a quantidade de tempo que uma mulher perde no BDSM, e não digo só Domme, digo todas as mulheres, elas perdem um tempo infinito se elas pararem pra responder cada homem com um pinto na mão que abriu o fetlife a procura de algo pra substanciar a punheta.

Então entre abrir uma conversa, conversar um pouco e aí perceber que o cara não quer nada além de material de punheta ou dar um preço e aí conversar, eu, no lugar delas, colocaria um preço também. Mesmo que o cara tenha me usado como material de punheta, ele pagou por isso, então eu não perdi completamente o meu tempo.

3o – Estou me sentindo preterido pois eu tenho mais a oferecer e as mulheres não valorizam.

Então, esse é um ponto real.

Nas festas e encontros presenciais, você tem a oferecer o que a pessoa vê, o que a pessoa sente, o que a pessoa escuta. Em um encontro presencial a pessoa tem muito mais recursos pra te avaliar.

Ela olha pra sua camisa, se sua camisa estiver suja de vomito, ela conclui: “bebeu demais, vomitou em si mesmo, não quero nada com essa pessoa.”

Da mesma forma se passou do lado e ta cheiroso, a outra pessoa pensa: “adoro pessoas cheirosas.”

No virtual você tem pouco recurso pra uma pessoa te “ler” e saber se você é legal ou não, então você tem que aprender a lidar com isso. A maioria dos casais são formados online, é mais fácil inclusive achar interesses em comum, como BDSM.

4o – Por que não paga?

  • Não paga por que é mesquinho? Eu conheço inúmeras pessoas que são mesquinhas, desvalorizam o que é do outro. Já teve um cara que queria comprar um flogger meu, ele queria colocar preço no meu trabalho e queria pagar o quanto ele achava que valia, sendo que ele nunca fez um flogger na vida. Não vendi pra ele. Você não precisa comprar, mas você não pode colocar preço no serviço do outro.
  • Não paga por que não pode? Entre gastar dinheiro num fetiche, que é lazer, ou pagar sua conta de luz, a escolha é óbvia. Se você diminuir um sonho, pra algo que caiba na sua vida, sem nenhum esforço, esse sonho vai perder a graça. Se você quer uma Ferrari, mas quer pagar o preço de um fusca, a sua Ferrari, pra você, não vai valer tanto. Não vai ter o valor de “eu trabalhei e fiz coisas incontáveis pra alcançar”. O mesmo vale pra uma Domme, o prazer de um sub que paga caro pra uma Domme é também o de pagar caro.
  • Você não paga por que não vê valor? Eu não pagaria $$$ numa sessão, tudo bem, é uma escolha sua, porque você tem os acessórios, você tem as roupas fetichistas, você inclusive conhece uma pessoa que tem as técnicas pra te dominar e faz de graça, portanto não tem necessidade de pagar.
  • Você não paga por uma imaturidade de nunca ter se relacionado bem com dinheiro?
    Ser adulto tem um custo, você só não se preocupava com dinheiro quando seus pais te sustentavam. Então roupas fetichistas custam, cinta peniana custa, cinto de castidade custa, bota custa, Fetiche é resumidamente, tesão em bem material, parte do corpo ou uma cena, até os pezinhos bonitinhos precisam de cuidados e esses cuidados custam dinheiro. Você quer uma domme toda no latex como no porno e quer que ELA compre isso, sendo que as vezes não é um fetiche dela, ou mesmo não é prioridade, é muita babaquice. Então entender que cuidados com cabelo, maquiagem, uber, roupa, acessórios, tudo tem um custo e que “facilitar” pra pessoa te dominar, pode sim, incluir uma facilidade financeira.

5o – Eu quero uma discussão ou eu quero pessoas que concordem comigo pra eu me sentir menos medíocre?

As vezes a gente só quer reclamar, e quer alguém que tê dê colo e diga “ta tudo bem, o mundo é feio mesmo” e isso é a pior merda que você pode fazer na sua vida, não sei se é o caso, só acho que vale talvez uma reflexão sobre gastar energia em reclamar ou gastar energia em melhorar.

6o – As pessoas oportunistas

Isso tem em todos os ambitos. Sempre tem alguém tentando tirar vantagem de alguma coisa, algumas pessoas com objetivos materiais, outras pessoas com objetivos sexuais. Tem o dominador que quer dominar pra pegar mais mulheres, tem o dominador que quer dominar pra ganhar dinheiro, tem a mulher que quer dominar pra pegar mais pessoas, tem a mulher que quer dominar pra ganhar dinheiro.

O que diferencia ser algo bom ou ser algo ruim é pensar no longo prazo. Você quer continuar fazendo isso por 10 anos? Se sim, você precisa aprender e não ficar só no básico, você precisa se tornar profissional e eu vejo que a maioria das pessoas querem sim ganhar dinheiro no curto prazo, mas não pensam se daqui anos vão continuar fazendo as mesmas coisas.

O fato é que o meio é cruel com quem não sabe o que quer, essas pessoas somam frustrações e desistem, mas até desistirem, reclamam muito e perdem muito tempo.

7o – Quem não tem argumento tenta partir pra agressão.

Cuidado pra não ser essa pessoa. Você se isola numa velocidade incrivel.

8o – Cada pessoa tem uma opinião.

Você está fugindo da discussão. Tentar encerrar a discussão com “cada pessoa tem sua opinião” é menosprezar a inteligência das pessoas, sendo que o problema é o de apresentar novos argumentos, não o de respeitar a opinião.

9o – Vários fetiches são frutos de socialização.

O único animal que tem fetiches é o ser humano. Esses fetiches surgem através do contato com outras pessoas e de situações sociais. Portanto, eu acredito, que BDSM é uma subcultura, que reflete muito a nossa situação social.

Se nossa sociedade está cagada, o nosso BDSM esta cagado. Não observar isso é como fugir da realidade e se aprisionar no BDSM. BDSM pode te libertar, mas pode se tornar uma prisão também.

Nós só podemos praticar BDSM e a mulher só pode consentir, por causa do feminismo, é um movimento social alheio ao BDSM, mas que propiciou existir o BDSM, da mesma forma que o BDSM não existiria sem gays e por aí vai.

Se você luta por uma sociedade com uma distribuição de renda mais justa, você vê menos pessoas despreparadas sendo oportunistas.

10o – Se a relação se baseia apenas na troca financeira, ela não tem futuro.

Concordo com esse ponto que alguém falou, mas espando a reflexão. Se você tem que pagar pra ter atenção, você precisa de ter dinheiro o suficiente pra isso, se num dia falhar, a relação pode terminar.

Da mesma forma, se a relação se baseia apenas na troca de poder, ela também não tem futuro. Porque vai ter dias que a pessoa que domina não vai querer dominar e tem dias que a pessoa que se submete não vai querer se submeter.

O segredo é gostar da pessoa, dos dias bons e ruins, das nuances e aprender a apreciar a pessoa. Se o foco é na utilidade e no papel que desempenha, sendo financeiro ou não a relação está fadada ao fracasso.

Dava pra apontar outros pontos, mas acho que já ta grande demais e quase ninguém vai ler até o final rs.

Se quiser continuar a discussão, comenta ai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *